TEMPO DE AJUDAR

16 de julho de 2020 at 04:24

CAMPANHA DA ESCUTA SOLIDÁRIA

Vê, se compadece e cuida

(cf. Lc 10, 30-35 e Campanha da Fraternidade 2020)

 

MOTIVAÇÃO

Vendo Jesus as multidões, teve pena delas, porque estavam cansadas e abatidas como ovelhas sem pastor. Disse então a seus discípulos: “A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos. Por isso, pedi ao Senhor da messe que mande operários para sua messe” (Mt 9, 36-38).

INTRODUÇÃO

Neste momento em que vivemos o isolamento físico como medida para enfrentar e conter o avanço da pandemia mundial da Covid-19, muitas pessoas estão confinadas dentro de suas casas, afetadas pela crise social e econômica, mas também e principalmente expostas às fragilidades da saúde mental.

Relatos de ansiedade, estresse, angústia e medo são compartilhados frequentemente nas redes sociais também em nossa comunidade. Com o passar dos dias, semanas e meses, as notícias vão mudando e confundindo, os riscos crescendo, os óbitos cada vez mais próximos da nossa realidade e novas medidas vão sendo criadas para a proteção de todos, além das adaptações nas relações, na família, no bairro, na cidade e no trabalho. Vivemos uma ansiedade enorme e um medo por antecipação, sem conseguir delinear objetivos ou saber o que vem depois da pandemia.

Com a alteração das rotinas, o confinamento em casa, a falta de contato social e de noção cronológica e com o bombardeamento de notícias, a percepção do tempo ficou diferente. O corpo e a cabeça demoram um tempo para entender o que está acontecendo. Isso aumenta a ansiedade com o futuro e a solidão. O estresse e a pressão em enfrentar algo novo e desconhecido trazem preocupação e ansiedade para todas as idades: todos estão submetidos a uma sobrecarga emocional muito grande. Torna-se urgente garantir que a comunidade esteja bem e que consiga superar este momento difícil.

Frente a esse novo cenário de medo e incertezas, a Paróquia São Benedito, que desde o início adotou as medidas de distanciamento físico recomendadas pelas autoridades sanitárias, tem buscado formas de assistir espiritualmente os fiéis, e uma delas é a transmissão da missa aos domingos pelas mídias paroquiais (facebook, instagram e youtube).

Os agentes pastorais, além de criar a Campanha “Quarentena Solidária”, que objetiva levar alimentos e material de higiene a cidadãos e famílias mais vulneráveis da Zona Sul, se atentaram para a importância do cuidado com a saúde mental da comunidade e criaram também a Campanha “Escuta solidaria” para atender a todas as idades e promover acolhimento virtual, colaborando para que os impactos sociais, econômicos e mentais sejam amenizados. Cuidar da vida é um compromisso evangélico da Igreja.

JUSTIFICATIVA

A inspiração e motivação para se criar esta Campanha da “Escuta solidaria” nasceu da experiência de uma agente de pastoral que, ao longo de uma conversa telefônica com uma pessoa, que era sua parente, percebeu que esta começou a chorar e apresentar sintomas de ansiedade, stress e angústia, mesmo sendo muito bem assistida por parentes próximos. Daí se constatou que ela está enfrentando situações de conflito emocional, pois a sua rotina foi bruscamente interrompida e ela está sentido falta de tudo e, principalmente, do contato físico com as pessoas.

Posteriormente, foram surgindo relatos de outras pessoas que não têm com quem conversar, sentem-se sozinhas.  Às vezes as próprias pessoas da família não têm mais paciência de ouvir as mesmas sagas repetidamente. Estão se sentindo muito frágeis. Precisam de muito carinho, muito amor para ajudá-los a passar por essa fase.

O tempo de isolamento social é um tempo de ressignificar muita coisa. E é justamente nisso que o projeto se propõe a ajudar. Essencialmente, somos reconhecidos pelo outro, e a importância de sentir o outro nesse momento é grande, seja pela escuta, pelo olhar, pela leitura. Isso nunca teve tanta importância como no momento em que estamos vivendo.

OBJETIVO GERAL

Através do contato telefônico ou conexão on-line, acolher, atender e escutar, voluntariamente, pessoas de todas as idades e crenças religiosas que não estão sabendo lidar com o isolamento por causa da COVID-19, e que estão ficando ansiosas, depressivas, agressivas, compulsivas, medrosas, solitárias, angustiadas, abaladas emocionalmente ou que queiram apenas desabafar, transmitindo-lhes mensagem de esperança e de paz, contribuindo para amenizara carga emocional que as oprimem, especialmente após tantos meses de isolamento, pois a maior dificuldade hoje das pessoas é ficar com elas mesmas.

Importante ressaltar que não se trata de terapia online, mas uma escuta qualificada, acolhedora e amorosa que irá ajudar quem mais precisa a enfrentar o momento atual.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS 

  • Escutar pessoas que buscam alguém para ouvi-las com atenção, carinho e respeito no momento de aflição, sofrimento emocional e existencial e, a partir daí, se assim desejarem, fazer uma oração com elas;
  • Proporcionar, através da escuta, alivio ao estresse causado pela situação de confinamento;
  • Melhorar significativamente a qualidade de vida das pessoas atendidas;
  • Reconectar a pessoa com coisas boas e recursos que ela tem;
  • Promover um diálogo acolhedor e amoroso para diminuir a solidão;
  • Dar dicas não só comportamentais, mas também de alimentação e atividades físicas e lúdicas para aliviar o estresse causado pela situação de confinamento;
  • Ajudar a reorganizar os pensamentos e sentimentos internos.

 PÚBLICO ALVO

 Idosos, Adultos, Jovens e Crianças.

METODOLOGIA DA AÇÃO

 1ª Etapa

Recrutamento de voluntários e levantamento das pessoas que precisam deste atendimento nas comunidades. Para isso, conta-se com o apoio dos Conselhos Pastorais das Comunidades, de modo que cada comunidade pode convidar pessoas para este trabalho voluntário.

2ª Etapa

Realização da escuta semanal através de ligação telefônica, whatsApp, chamada de vídeo ou de forma on-line.

Fique bem claro para todos os voluntários que não se trata de uma terapia, mas que se coloquem à disposição para realizar uma conversa acolhedora, amorosa, qualificada, sem julgamentos, com empatia e, principalmente, sigilosa. As conversas poderão ser espontâneas, mas também poderão incluir perguntas que verificam o estado físico e emocional, se estão necessitando de algum cuidado especial ou ajuda para realizarem alguma tarefa cotidiana, se estão conseguindo se alimentar de maneira satisfatória, tomar medicamentos, se possuem dúvidas sobre o atual contexto da pandemia, etc. É muito importante que os interlocutores sintam que não são invisíveis e não estão sozinhos.

PERÍODO DE EXECUÇÃO

 Até o fim do isolamento físico.

 EQUIPE DE EXECUÇÃO DO PROJETO

 Voluntários: Agentes de pastoral da Paróquia São Benedito

 AVALIAÇÃO

Em tempos de pandemia, formas novas de viver a fé e a caridade fraterna têm florescido na vida da Igreja, que é samaritana: vê, se compadece e cuida (cf. Lc 10, 30-35: Campanha da Fraternidade 2020).